15 de novembro de 2016

10 passos para voltar a ter motivação


Dei por mim num momento horrível da minha vida em que nada me motivava e em que me sentia sem vontade para fazer nada. Não vou dizer que é uma fase normal, porque se é, eu não aceito que seja. Para mim, tenho que estar sempre motivada e sempre pronta para fazer tudo o que eu quiser e o que me for pedido. Já só tinha mais um post agendado no blog e não sabia porque estava a deixar tudo descambar. Até que me apercebi que as coisas tinham que mudar.

Compra algo que (não) precisas. Esta talvez seja a menos importante mas há sempre alguma coisa que queremos comprar e que sabemos que não precisamos. Mas neste caso, nós precisamos. Sabemos que é uma compra que mesmo que não precisemos de investir dinheiro nela, pode vir a ajudar no nosso estado de espírito. Por exemplo, eu compro sempre imenso material escolar, e começo a achar desnecessário comprar mais, fui ao continente e vi uma capa bonita, pensei que não precisava mas ao comprar, não sei porque me fez sentir tão YESS, mas percebi que há sempre coisas novas a estrear e coisas que mesmo eu pensava que não precisava, deram um boost.

Passeia, mesmo que não tenhas vontade. Obriga o teu corpo a sair da cama ou do sofá para ires onde quer que seja, nem que te obrigues a dar a volta ao quarteirão. No meu caso, eu tinha uma consulta marcada para sexta e não queria sair de casa, apetecia-me ficar em casa a ver séries ou simplesmente a passear pela internet. Mas sair de casa fez-me ver sítios bonitos, tirar fotos, ganhar vontade de passear mais e mais e esquecer o porquê de eu não querer ter saído da cama em primeiro lugar.

Percebe a causa da falta de motivação. Aconteceu alguma coisa que te fez ficar em baixo? Alguma coisa que mudou as tuas vontades repentinamente? Alguém te disse alguma coisa menos boa? Disseste alguma coisa menos boa a alguém? Alguém te desiludiu? Sentes-te mal com alguém? Há tanta coisa que pode ser “a causa”, sem que no momento não tenha importância e depois vêm-nos a afetar de dia para dia. Ou algo que já identificamos mesmo como uma causa para ficarmos sem motivação. Perceber é essencial para resolver.

Dá para resolver? Resolve. Não dá? Não penses mais nisso. As coisas são mais fáceis do que parecem. E nem sempre o “falar é mais fácil que fazer” é aplicável. Não podem pensar isso ao ler isto porque eu fi-lo. Encontrei a causa ou, no meu caso, as causas, e resolvi as que davam para resolver. Encontrei umas que não havia maneira de contornar e pensei “de que me adianta estar a pensar nisto?”, são só pensamentos negativos que, mais uma vez, não vão mudar nada. Se não dá para resolver, só estamos a gastar energia com coisas que não são necessárias, em vez de gastarmos no que realmente importa.

Fala. No corrimento dos pontos anteriores, falar é importante. Eu não o queria fazer, mas acabava por acontecer quando me queixava das coisas durante as viagens com o Hugo. Inconscientemente, estava a descarregar tudo aquilo que me fazia mal e tudo aquilo que me atormentava. Claro que não chegava, porque, lá está, não tinha consciência que o estava a fazer. Mas a Joana estava preocupada comigo e conseguiu com que eu falasse com ela de uma das coisas que me preocupava e senti-me mais leve, não só por falar, mas também por ouvir os conselhos que ela me deu. Por vezes as pessoas têm coisas fantásticas para nos dizer mas, como não queremos falar, não as ouvimos.

Ouve músicas antigas. Ouvir músicas antigas faz-me sempre querer cantar e cantar as letras que todos sabemos de cor, pura e simplesmente por serem antigas e talvez nos tragam recordações boas! Se vocês não estão no mood para aquelas músicas R&B do Ne-Yo, do Usher, o que quer que seja, ouçam as que vos fazem sentir bem e que vos puxem para cantarem. Se não são músicas mexidas, que sejam as lentas! Mas não se deixem abalar.

Pensa na próxima coisa que queres que aconteça. Pensar em eventos próximos com os quais estamos entusiasmados também ajuda e muito. Lembrarmo-nos que depois da tempestade toda passar, aquela coisa vai chegar é tão bom! No meu caso, tenho um evento de 8 a 11 de dezembro, o congresso da APAVT. Fico entusiasmada porque vamos para Aveiro, o Hugo vem comigo, vamos dividir um quarto, passear por outros ares e participar num congresso da nossa área. Ouvir e conhecer profissionais que nos possam inspirar.

Começa pelo que custa menos. Em termos de escola/faculdade. Têm muitos testes e trabalhos para entregar? Pensem no que mais vos interessa e façam-no. Pensem na disciplina que vos fascina mais e estudem-na. E se nada disto vos fascina, porque não ler um pouquinho do que se trata? Talvez vos suscite interesse. No meu caso, tenho um trabalho para entregar dia 22 sobre Literatura de Viagens. No início achei o tema tãããão desinteressante, mas assim que comecei a ler um pouco sobre isso e a conhecer mais o tema e o que o envolvia, e tive vontade de o começar imediatamente. Por vezes é só a nossa mente que, como tudo tem estado tão aborrecido, à partida é só mais alguma coisa sem interesse nenhum. Mas enganamo-nos muitas vezes.

Faz algo que realmente gostes e que realmente te interessa. O que te desmotiva é a escola? A faculdade? O trabalho? Basicamente: a tua obrigação? Porque não fazeres o teu hobbie então? Desligar um pouco das responsabilidades e fazer o que mais gostamos para nos relembrarmos que a vida nem sempre é aborrecida, que há mais para além do obrigatório e do que nos deixa em baixo. Umas horas não fazem mal a ninguém! Eu parei de fazer os meus trabalhos para escrever posts para o blog porque simplesmente me alegram mais e já estou com vontade de voltar ao trabalho porque simplesmente já me “diverti” um pouco, já desliguei do que me aborrecia, e já tenho motivação de novo. É como recarregar energias.


(Re)lembra-te porque começaste. Não penses em desistir só porque algo está a correr mal. Já pensaste em tudo o que fizeste até agora? E porque foi isso? Porque nos importávamos! Porque queríamos! Porque nos interessava! Pelo que quer que seja. Devemos sempre lembrarmo-nos do que nos fez começar. Se na altura fazia sentido, agora também pode fazer, é só lembrarmo-nos das coisas positivas. E, também, é importante saber porque queremos acabar. Estás com falta de motivação para as tuas “obrigações”, mas lembra-te do que concluir o quanto antes te vai trazer. Exatamente! O que queríamos no primeiro lugar.

8 comentários

  1. Nossa adorei cada dica e vai ajudar muito
    Beijinhos
    CantinhoDaSofia /Facebook /Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  2. São ótimas dicas ! Ultimamente tenho passado por uma destas fases. Falta motivação para quase tudo, ainda para mais devido a um acontecimento que mudou a minha vida por completo. Obrigada por estas dicas

    ResponderEliminar
  3. Dani, é tão bom saber que te ajudei tanto. A sério. Fico de coração cheio só de pensar. És tão boa pessoa, tens um coração tão puro que me deixas completamente boquiaberta. Além disso, ainda consegues fazer esta publicação magnífica que me elucidou imenso e ajudou nesta fase bem semelhante. Obrigada Dani! Adoro ler-te. Mesmo. <3

    ResponderEliminar
  4. Gostei bastante das dicas. E é bem verdade, é sempre bom termos alguém com quem falar e por vezes, é exactamente nas pessoas que não fazem parte do nosso dia-a-dia que encontramos o melhor conforto.

    ResponderEliminar
  5. É a primeira vez que estou no teu blogue, mas já estou a adorar. :) Ainda por cima, estou mesmo a precisar de uma motivação extra portanto soube mesmo bem ler isto. Até vou escrever numa folha para seguir passo a passo! Obrigada. :)

    ResponderEliminar

© Traffic in the Sky. Design by Fearne.