4 de setembro de 2015

Sobre a praxe

Um dos maiores medos que todos os estudantes que vão entrar para o 1º ano têm, é a praxe. Eu não conheço pessoas que gostem um bocadinho da praxe. Eu conheço pessoas que adoram ou que odeiam a praxe. Não há meio termo.
Embora (para uns injustificavelmente) muito criticada, na minha opinião, só devia ser criticada por quem a vive. Não há duas faculdades com praxes iguais, com doutores ou veteranos iguais e muito menos com caloiros iguais. É diferente em todo lado.
Comecei a minha vida de caloira no ano passado, pouco depois de muito se falar da tragédia do Meco. Na altura em que via isso na televisão não estava preocupada com o que iria ser a minha vida porque pouca vontade tinha de ir para a faculdade.
No primeiro dia, fui uma tarde inteira à praxe e senti tanta coisa misturada que assim que cheguei a casa desatei a chorar. Eu detestava que berrassem comigo, que tentassem mandar em mim e não estava com a mente suficientemente aberta para estar ali. Pensei novamente se haveria de continuar ou não e só voltei na semana seguinte, a de receção. Foi a melhor decisão que tomei desde que entrei na faculdade, pois foi aí que vi que a praxe não é só berros e sentir-me inferior a toda a gente, mas também é fazer amizades e sentir uma grande união e companheirismo.
O discurso que ouvi todas as semanas durante este último ano, entrou finalmente na semana da queima. Na semana do cortejo, da serenata… Aquele discurso que é suposto sermos uma família, que temos que nos orgulhar e honrar a faculdade fez sentido na última semana, quando vesti o traje, porque “o traje não se veste, sente-se”.

Para os caloiros deste ano:
  • Experimentem
    Não digam não à praxe sem terem posto lá os pés. Não digam que não só pelo que vêem ou ouvem de fora.
  • Mente aberta
    As “ordens” que vos dão, ou melhor, a praxe que vos dão não são para vos inferiorizar. À partida já sabem que há uma hierarquia (só em momentos praxisticos, mas há), logo, uma praxe não será para reassumir isso. É difícil aceitar que há ali alguém a tentar mandar em vocês e a impor respeito, mas é esse respeito que vos vai ajudar a crescer ao longo do ano. Os mesmos que te berram são os que te vão fazer perceber que não és inferior nem superior a alguém. És tu e estão todos ao mesmo nível (no final, claro, caloirinhos estão sempre no fim da hierarquia ahah)
  • Não pensem que a praxe é um passaporte
    Porque não é. Não vos vai dar para se darem bem com toda a gente, ou para o ano vos correr melhor.
  • Não façam obrigados
    Façam porque querem, porque gostam, mas nunca por obrigação.
  • Não pensem que vão ser excluídos
    Se não gostaram da praxe da vossa faculdade, saiam, ninguém vos obriga a estar ali, como disse. Se não se sentem bem, saiam. Se não gostam do que sentem, saiam.
  • Não se “acanhem”
    Ninguém manda em vocês, se não gostam, não querem ou não podem fazer algo, digam.
  • Não tenham medo
    Esta é das mais importantes. NÃO TENHAM MEDO DE NINGUÉM. Os doutores não são nenhum bicho papão. Se vocês mostrarem medo, vão-se concentrar mais em vocês, ou para vos assustar mais, ou para vos fazer perceber que não há razões para isso.
  • Os doutores não são bichos nenhuns
    Como disse anteriormente. Eles estão lá para vos ajudarem, para serem a vossa nova família. Não para vos assustarem e vocês fugirem deles a sete pés.
  • Respeito
    Quando digo para não haver medo, isso traz uma nota óbvia ao lado: tenham respeito. Lá por não terem medo não quer dizer que tenham que faltar ao respeito porque não vão ser penalizados por isso. Os doutores/veteranos são pessoas como os caloiros que exigem respeito sendo que, à partida, também vos respeitam.
  • Não tenham vergonha
    O que vocês estão a passar, os vossos colegas também estão. Não tenham medo de fazer figuras ridículas.
  • Saibam escolher
    A vossa família de praxe (padrinhos e irmãos) vai ficar convosco até ao fim. Saibam escolher. Não escolham por serem bonitos ou porque todos gostam. Escolham porque sabem que se preocupam e vos vão ajudar em tudo, serem as vossas bases, os vossos amigos. No final de contas, esta vai ser a vossa família. Vocês são privilegiados por poderem escolher. Não errem.
  • Vivam
    Se optaram por continuar, vivam t-o-d-o-s os momentos que a praxe vos proporciona, sejam as praxes mais simples, as músicas da faculdade, a semana de receção, sejam os confrontos com outras universidades, o cortejo, a queima, as serenatas, as praxes noturnas, porque o ano de caloiro é o melhor ano da faculdade! Aproveitem!

21 comentários

  1. concordo com tudo o que disseste. Eu sou super tímida e estava cheia de medo, mas disse a mim própria, vais um dia, se não gostares não vais mais. Não foi apenas um dia, foi as praxes todas. As minhas praxes foram espectaculares e mesmo com o espírito de integração. Fiz lá grandes amizades e vive momentos maravilhosos. Mas é como tu dizem há praxes diferentes, a minha foi muito boa, mas mesmo dentro da minha faculdade houveram praxes horríveis. Aconselho mesmo a experimentar e depois logo decidem se vão as restantes ou não.

    ResponderEliminar
  2. Eu quando disse que estava com medo, não era das praxes. Eu conheço pessoas que gostaram muito da praxe...e eu realmente não estou incomodada com isso, se não gostar não vão e nem faço, se gostar melhor ainda. :)

    Wallflower

    ResponderEliminar
  3. É isto, sem tirar nem pôr. Lembro-me que até estava cheia de nervos no primeiro dia e quando dei por mim já não queria sair dali. Primeiro porque fiz amigas logo ao fim de umas horas (a praxe aproxima-nos mesmo!) mas também porque apesar de haver alguns gritos as minhas doutoras preocupavam-se realmente connosco e não deixavam que ninguém se sentisse mal, física ou psicologicamente. Diverti-me para valer no meu ano de caloira e, tenho de ser sincera, não gostei tanto de praxar como de ser praxada. Gostava de ter "desculpa" para passar vergonhas e foi a praxe que me fez deixar de ser tão tímida. Deixei de ter medo de me expôr e graças a ela conheci excelentes pessoas. Tive colegas minhas que, por outro lado, experimentaram e não gostaram. Ainda assim sempre nos respeitámos umas às outras. Se eu voltasse atrás repetia tudo e ainda gritava mais alto. É das coisas que eu tenho mais saudades! Nunca irei esquecer o palpitar no peito quando vesti o traje pela primeira vez e da doutora que se meteu à minha frente e me ajeitou a gravata, com um sorriso de orgulho. Até estou toda arrepiada! É daquelas sensações que só mesmo vivendo.

    ResponderEliminar
  4. Muito obrigada!

    Adorei este teu post e concordo contudo o que disseste! Eu tive receio de não gostar ao princípio, mas arrisquei e não me arrependi.
    Contudo, se me perguntarem se tenho saudades de ser caloira, não preciso de pensar duas vez: a resposta é não. Trajo e não quero outra coisa! :p

    Beijo *

    ResponderEliminar
  5. Vou tentar fazer tudo isso, fazer as praxes valerem a pena na minha cabeça!

    ResponderEliminar
  6. Só para o ano, confesso que tudo isso ainda me assusta um bocado :p

    ResponderEliminar
  7. Mal vai este mundo quando se tem de recorrer a esse tipo de... de... (não importa o que seja) para fazer amizades e sentir uma grande união e companheirismo.
    A amizade e o companheirismo não tem de ser imposta por nenhuma "confraria", sob risco de não ser amizade nem companheirismo.
    E atenção que não sou contra nem a favor da praxe, desde que não seja imposta. Agora dizer que a praxe serve para fazer amizades e promover a integração e o companheirismo, através da desumanização e da humilhação, então o conceito de praxe, nalgumas faculdades, tem de ser revisto com urgência. :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim como o conceito de praxe nalgumas cabeças, porque eu não fui humilhada em momento algum, e também não disse que para fazer amizades têm que ir para a praxe, muito menos que isso é algo que nos é imposto, aliás, digo tudo menos isso, digo sim que na praxe se fazem amizades e se sente essa tal união e companheirismo, por culpa das atividades que se fazem nesse "tipo de... de... (não importa o que seja)" :)

      Eliminar
  8. vou entrar agora, e adorei o teu post, dá imensa ajuda para nos que so ouvimos coisas de fora!

    ResponderEliminar
  9. Pronto, e agora fiquei cheia de vontade de voltar à praxe, aos irmãos, aos amigos. Que saudedes! Acabei a minha licenciatura o ano passado, e acredita, a saudade que fica é para sempre <3

    ResponderEliminar
  10. Eu adorei as praxes, eu adorei praxar, que SAUDADE!!

    ResponderEliminar
  11. Eu vou tentar fazer tudo isso! Vamos lá ver!

    ResponderEliminar
  12. Sao boas dicas de certo sera util pra mim .. :3

    ResponderEliminar
  13. Hi beautiful,
    I was just browsing through & stumbled upon your lovely blog - It looks gorgeous and it has interesting posts that I can relate to, I’ll come back for sure.
    Would you like to follow each other on GFC and other social media?
    Let me know and let’s keep in touch love <3
    http://xoxocitygirl.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  14. Gracias por este bonito post!!!
    Quieres que seamos seguidoras? házmelo saber...
    Besos, desde España, Marcela♥

    ResponderEliminar
  15. Vim te dar um abraço e dizer
    que suas palavras são limpas
    e bonitas. Adorei.

    Um beijo. Estou te seguindo e
    se tu achares que deve, siga-
    me também.



    .

    ResponderEliminar
  16. eu vou para ano (espero conseguir entrar) e a praxe é sem duvida uma das minhas preocupações, ainda por cima por ser uma pessoa tímida xd
    mas com aqui lo disseste fiquei mais descansada :9

    ResponderEliminar

© Traffic in the Sky. Design by Fearne.